Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Me Cookies and Milk

Cinzas

IMG_20160809_202205.jpg

 

Hoje acordámos cercados com uma neblina que nos confirmava que o que se passou na noite anterior afinal não foi um pesadelo.

Vocês rapazes pediram para ir passear. O pai não estava. Hesitei ir sozinha convosco, mas decidi ceder à vossa insistência. Caminhámos 20 metros até perceber que o fumo estava demasiado denso e que nos dificultava a respiração. Convenci-vos a irmos para casa jogar qualquer coisa. Vocês, estranhamente, sem birras, concordaram.

Fechámos as portas e ficámos por casa. Vocês ficaram a brincar a ver televisão completamente distantes do inferno que acontecia cá fora.

De vez em quando vinha cá fora na esperança que um milagre acontecesse. Saía com a fé que os incêndios tivessem extintos e as pessoas livres de perigo. Mas não aconteceu. Cada vez mais a mancha laranja das lavaredas ganhava dimensão. E tudo ao nosso redor parecia pequenino e frágil.

Deitei-vos. O fumo fazia-nos tossir esporadicamente. Imaginei a aflição daqueles que lutavam por salvar os seus bens. Por se salvarem. Era um aperto demasiado grande e desejei com todas as forças que chovesse depressa. Que a chuva chegasse e abafasse aquele inferno e as memórias horríveis que estava a construir.

Quando forem crescidos, ides perceber que o dia 15 de outubro foi o dia em que inferno desceu à terra. Uma vez mais a natureza (impulsionada ou não por gestos criminosos) mostrou quem manda.

Fabriquem as bombas atómicas que quiserem. Comprem aviões, submarinos, tanques de guerra, comprem tudo, mas tenham consciência que isso de nada vos vale qual a Natureza mostrar, assim como hoje, um bocadinho da sua força.

Agora, a internet traz-nos imagens que documentam este inferno. Traz-nos opiniões, conselhos, ultimatos, indignação, ódio, muito ódio. Tudo isto é odioso? É. Revolta-nos. Indigna-nos. Choca-nos. Mas no fim, temos de perceber que tudo isto acontece porque os nossos olhos estão vezes de mais a olhar para o mesmo sítio… o nosso umbigo. 

2 comentários

Comentar post