Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Me Cookies and Milk

Me Cookies and Milk

Não quero saber

naoquerosaber.jpg

 

Sempre que me doía alguma coisa, aparecia uma mancha ou recebia as análises e não percebia algum valor, lá ia eu toda despachada onde? Ao médico?! Não! À internet claro! O diagnóstico era sempre o mesmo. Bolhinhas no corpo: Cancro. Dificuldades em dormir: Cancro. Cansaço: Cancro. Período desregulado: Cancro. Febre: Cancro. Nódoas de pêssego na roupa: Cancro…
Era isto a cada pesquisa. E o que se sucedia? Pânico e uma ansiedade imensurável.

No dia que recebi as análises e vi um dos valores muito abaixo dos mínimos “normais” fiquei em pânico até o dia da consulta que era apenas na semana seguinte. A minha querida internet apenas me apresentava além dos cancros, doenças incuráveis e morte certa. Chorei todas as noites até ao dia da consulta. Os valores eram realmente baixos e necessitava de ser seguida no hospital. “Mas calma, não vai ser nada de especial” disse-me a médica! Foi após este episódio que decidi que tinha de me proteger. Aquele estado permanente de ansiedade não fazia bem a ninguém, e eu precisava de saúde, tranquilidade e paz. Decidi que nunca mais queria saber nada a não ser pela boca de um médico a sério. Nunca mais consultei a internet para tentar apurar as causas daquelas bolhas ou do cocó mais duro dos rapazes. Se faço análises, levanto os resultados no dia da consulta e entrego-os diretamente ao médico. Se existir alguma coisa fora do normal, ele vai ajudar-me. 

Há mais de um ano que decidi tomar esta atitude. Sinto que foi a melhor coisa que fiz. Ainda não há diagnóstico para aqueles valores baixos que ainda teimam em não subir. Ainda estou a ser vigiada e ainda mais vigiada por causa da gravidez. Na última consulta o médico falou-me de algumas coisas que podem acontecer se se confirmar alguma das patologias mais graves. Não é nada de bom e, naturalmente, deixa-nos ansiosos. Mas sabem que mais? Não quero saber o que pode vir a acontecer. Não me digam nada que não seja esperança, tudo resto eu não quero saber. 

Se tiver a oportunidade desta bênção, vai acontecer uma coisa extraordinária: lá para o final do ano há mais um menino lá por casa. E isso é fenomenal e é a única coisa que eu quero realmente saber!